domingo, 20 de janeiro de 2013

Ao perdedor, as latinhas- 9º ANO




1



5




10




15




20




25




30




35
Ao perdedor, as latinhas

Nem a mais visionária das mães-dinás poderia imaginar: o ofício de catador de latinhas tornou-se uma profissão como outra qualquer. Com os ecos da crise econômica se abatendo sobre todos nós, o zé-povinho precisa usar a criatividade para continuar vivo – ou, pelo menos, emitindo alguns, ainda que mínimos, sinais vitais. Resultado: à Lavoisier, o lixo metálico produzido pelas classes A, B, C e D ajuda a comprar brioches para alimentar a classe Z, aquele lumpesinato que cada vez aumenta mais de consistência e volume nas grandes e pequenas cidades do país.
Carnaval é festa esperada com ansiedade por essa nova categoria de profissionais que os IBGEs da vida ainda não catalogaram. Nada mais justo: nesse período, de alto consumo de produtos armazenados em invólucros de alumínio, tiram o pé da lama. E o que se viu por aí, pelas ruas do país, foi um aguerrido exército, sempre à espreita para catar aquela latinha que, displicentemente, alguém acabou de jogar no chão.
Não existe limitação de idade para o exercício da profissão de catador de latinhas. Também não exige formação específica, nem o ensino fundamental completo, nem rudimento de alfabetização. O básico para se tornar exímio profissional do setor é aquela condição humana que nos leva a fazer seja lá que diabo for para não virar comida de abutres.
Salvador, no Carnaval, uma das maiores usinas de geração de latinhas de cerveja e refrigerantes do planeta, é a Meca, o lugar ideal, a cidade dos sonhos de todos esses valentes profissionais que vivem das sobras do lixo ocidental: a Las Vegas deles.
Os catadores de latinhas podem ser família completa: pai, mãe e muitos filhos, todos imersos na faina diária de coletar o maior número possível de peças de alumínio para revenda. Ao final de suada semana de trabalho, podem faturar talvez R$5, talvez R$10, o que pode parecer pouco para gente como a gente, que está na base da pirâmide invertida, também conhecida como elite. Para eles, não. Serve ao menos para adiar a morte por fome, bala ou vício.
No Carnaval de Salvador, o espaço nobre para os catadores de latinhas é aquele, virtual, criado entre a passagem de um bloco de trio e outro. Em ritmo de emboscada, espremidos entre as paredes dos prédios e a multidão que saracoteia ao redor, mergulham sem medo  no lixo alumínico recém-jogado e enchem muitos sacos com as cobiçadas peças.
Ser catador de latinhas pode parecer fácil, mas não é. O.k., não precisa de exame vestibular. Muito menos daquela série de documentos que se costuma exigir quando somos admitidos em algum emprego. Mas o exercício dessa profissão requer rapidez, agilidade, disposição física, fôlego e certo estoicismo. Afinal de contas, não deve ser muito reconfortante para o ego viver das sobras do lixo produzido por outros homens, aparentemente tão filhos de Deus quanto.
De qualquer forma, não será de todo absurdo se, da próxima vez que perguntarmos a alguma criança da periferia das metrópoles o que gostaria de ser quando crescer, ouvirmos: “Quero ser catador de latinhas, tiô!”
(Rogério Menezes, Revista Época de 19 de março de 2001)


Interpretação de texto

01. Assinale a ÚNICA alternativa que NÃO corresponde às idéias apresentadas pelo autor.

A)     As pessoas são levadas a catar latinhas para não morrer de fome.

B)     A luta pela sobrevivência nas cidades fez surgir uma nova profissão: catador de latinhas.

C)     Catar latinhas é uma profissão rendosa, pois permite aos seus profissionais comprar brioches.

D)     É humilhante precisar catar latinhas para sobreviver.
  Resposta:  Letra C
02. Neste texto, o autor critica

A)     as pessoas que jogam latinhas de cervejas ou refrigerantes no chão, sujando as cidades.

B)     a desigualdade social, fazendo com que algumas pessoas tenham que viver do lixo produzido por outras.

C)     o alto consumo de bebidas durante o Carnaval, gerando um aumento excessivo de lixo metálico.

D)     o fato de o zé-povinho catar latas na rua, atrapalhando a imagem do país no exterior.
Resposta:  Letra B

03. Assinale a ÚNICA alternativa em que a palavra ou expressão em destaque NÃO está adequadamente interpretada de acordo com seu sentido no texto.

A)       “...pai, mãe e muitos filhos, todos imersos na faina diária de coletar o maior número possível de peças de alumínio...” (linhas 19-20) = trabalho

B)       “Nem a mais visionária das mães-dinás poderia imaginar: o ofício de catador de latinhas tornou-se uma profissão...” (linhas 1-2) = videntes

C)       “Resultado: à Lavoisier, o lixo metálico produzido pelas classes A, B, C e D ajuda a comprar brioches para alimentar a classe Z...” (linhas 4-5) = nada se perde, mas se transforma

D)       “...não será de todo absurdo se, da próxima vez que perguntarmos a alguma criança da periferia das metrópoles...” (linhas 33-34) = vizinhança
Resposta:  Letra D

04. Assinale a ÚNICA alternativa em que as palavras ou expressões NÃO denunciam as condições sub-humanas dos catadores de latinhas:

A)     profissionais que vivem das sobras do lixo ocidental.
B)     categoria de profissionais que os IBGEs da vida ainda não catalogaram.
C)     classe Z.
D)     aguerrido exército.
Resposta:  Letra D
ü  As questões 05 e 06 deverão ser resolvidas relacionando o texto “Ao perdedor, as latinhas”, de Rogério Menezes, com o fragmento transcrito a seguir:
Caixa de texto: “Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir a outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos.
Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas”.
(Quincas Borba, Machado de Assis)
 

05. Comparando os textos de Rogério Menezes e de Machado de Assis, pode-se dizer que

A)      a paz significa a destruição das duas tribos; da mesma forma a luta de classes deve significar a destruição das classes sociais.

B)      como perdedores, os catadores de latinhas devem ser suprimidos para que as pessoas de outras classes sociais sobrevivam.

C)      os catadores de latinhas e a tribo derrotada na guerra merecem nosso ódio e compaixão.

D)      a classe Z não será exterminada se conseguir sobreviver com o lixo produzido pelas outras classes.
Resposta:  Letra D

06. As expressões “Ao vencedor, as batatas” e “Ao perdedor, as latinhas” permitem-nos concluir que

A)     as batatas e as latinhas vazias são troféus de guerra.
B)     vencedores e perdedores nunca ganham realmente.
C)     as latinhas estão para as batatas assim como as tribos em guerra estão para as classes sociais na batalha do dia-a-dia.

D)     as batatas e as latinhas garantem aos vencedores e perdedores a sobrevivência.

Resposta:  Letra D

05. Comparando os textos de Rogério Menezes e de Machado de Assis, pode-se dizer que

A)   a paz significa a destruição das duas tribos; da mesma forma a luta de classes deve significar a destruição das classes sociais.

B)   como perdedores, os catadores de latinhas devem ser suprimidos para que as pessoas de outras classes sociais sobrevivam.

C)   os catadores de latinhas e a tribo derrotada na guerra merecem nosso ódio e compaixão.

D)   a classe Z não será exterminada se conseguir sobreviver com o lixo produzido pelas outras classes.
Resposta:  Letra D

06. As expressões “Ao vencedor, as batatas” e “Ao perdedor, as latinhas” permitem-nos concluir que

A)   as batatas e as latinhas vazias são troféus de guerra.
B)   vencedores e perdedores nunca ganham realmente.
    C) as latinhas estão para as batatas assim como as tribos em guerra estão para as classes sociais na batalha do dia-a-dia.

    D)  as batatas e as latinhas garantem aos vencedores e perdedores a sobrevivência.

Resposta:  Letra D



5 comentários:

  1. Não consegui visualizar o trecho de Machado de Assis...

    ResponderExcluir
  2. “Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas.”

    (ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997. p. 648-649.)

    ResponderExcluir
  3. ATIVIDADE PERFEITA,ME AJUDOU MUITO NA ELABORAÇÃO DA MINHA PROVA!

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto crítico que estabelece intertextualidade literária. Parabéns!!!

    ResponderExcluir